Falta de comunicação compromete vacinação

Falando na abertura do simpósio internacional sobre vacinas, numa iniciativa da Universidade Privada de Angola (UPRA) em parceria com o Centro Universitário de Saúde ABC do Brasil, Celso Malavoloneke referiu que por motivos culturais e de logística, a vacina não chega as comunidades, como também às famílias não são informadas sobre as vantagens e a força imunológica das vacinas.

Se todas as crianças dos países em desenvolvimento concluírem o calendário de vacinação antes de um completarem um ano de idade, avançou o responsável, terão reduzido a taxa de mortalidade infantil e materna acima dos 80 por cento.

Para Celso Malavoloneke, as universidades devem analisar o processo ligado a vacinação, identificar os pontos de estrangulamento, apresentar recomendações e soluções para a melhoria da vacinação das crianças.

Por sua vez o reitor da UPRA, Carlos Alberto Pinto de Sousa, disse que a vacinação é uma das formas mais eficazes, económicas, simples e acessíveis de prevenir doenças imunopreveniveis.

A vacinação, segundo o académico, é uma conquista da sociedade moderna, representando um marco indelével na história da humanidade e da medicina, que permitiu erradicar a varíola após ter causado a morte de 300 milhões de pessoas no mundo.

Considerou que a ciência através da investigação, pedagogia, informação tem procurado soluções acessíveis e de baixo custo para fazer face as diversas patologias, que vão surgindo ao longo do tempos.

Carlos Alberto Pinto de Sousa reconheceu haver ainda um número considerável de pessoas que está à margem do processo de vacinação, apesar dos recentes dados do Ministério da Saúde (MINSA) darem conta de o país ter atingido 80 por cento da cobertura de vacinação, representando um aumento de 10 por cento entre 2016 a 2017.

Explicou que, com o evento, a sua universidade pretende juntar-se, de forma inclusiva, as diversas iniciativas do Governo e de outras instituições que têm contribuído para o aumento do número de pessoas vacinadas no país, com realce para crianças e mulheres em período fértil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *